Arquivo

Posts Tagged ‘Tishman’

World’s Most Expensive Office Markets Get Cheaper (Update3)

World’s Most Expensive Office Markets Get Cheaper (Update3)

By David M. Levitt and Simon Packard
Dec. 1 (Bloomberg) — The world’s most expensive office markets got a little cheaper this year.

More than 130 cities worldwide had declines in rent expenses in the year ended Sept. 30, CB Richard Ellis Group Inc. said in a report today. Almost 50 cities reported declines of more than 10 percent. Rental costs fell about 30 percent in Midtown Manhattan, 53 percent in Singapore and 41 percent in central Hong Kong. Overall, rents fell an average 7.7 percent across 179 markets worldwide.

“The places that went up the fastest and highest also came down the fastest and at greater depth,” said Raymond Torto, Boston-based chief economist for CB Richard Ellis, the largest publicly traded broker. “You party Saturday night and you pay for it on Sunday morning. That’s true across the globe.”

The global recession and credit crisis are pushing down office rents as companies pare jobs. About 1.93 million job cuts have been announced worldwide this year, data compiled by Bloomberg show. In the U.S., the unemployment rate jumped to 10.2 percent in October, the highest level since 1983.

Singapore and Hong Kong are struggling to pull themselves up from recession, according to CB Richard Ellis. The pace of rent declines in Singapore eased in the third quarter, suggesting “an improvement in business confidence,” the report said. In Hong Kong, rents for top-quality space ended a yearlong decline in the third quarter for similar reasons, according to the survey.

West End Costs

London’s West End district retained its position as the world’s most expensive office location, Los Angeles-based CB Richard Ellis said. Offices there cost $184.85 a square foot. That’s down 26 percent from a year ago in U.S. dollars or 18 percent in pounds.

With the exception of CB Richard Ellis’s May survey, when London was passed by inner central Tokyo, the broker estimates that the West End has held the title of the world’s most expensive office site since 2001.

West End rents have been pushed higher by the Mayfair and St. James’s neighborhoods, home to Europe’s largest concentration of hedge funds. The cost of leasing space in the two locations may rise as the municipality lifts business property taxes by at least 70 percent over the next five years, CB Richard Ellis researcher Gary Martin said.

Tokyo Rates

“None of the other main global office markets will have such an uplift,” said the London-based analyst.

Inner central Tokyo came in second in the CB Richard Ellis survey, while outer central Tokyo came in third. Central Hong Kong was fourth and Moscow was fifth. A year ago the order was the West End, Moscow, central Hong Kong, inner central Tokyo and Mumbai.

London and many Asian markets are showing signs of economic stability, Torto said. Most of the rent declines in those markets have probably already happened, he said.

“I would think that a year from now those markets will have sobered up,” he said.

New York City’s Midtown Manhattan came in 24th in the CB Richard Ellis survey, down from 15th last year. It remains the most expensive U.S. office market.

In the Americas, Sao Paulo and Rio de Janeiro displaced Midtown as the most expensive markets for offices. Rio rose to 12th in the semi-annual survey from 37th a year ago, while Sao Paulo rose to 16th from 26th.

‘Changing World’

The rise in the two Brazilian cities is “part of the changing world,” with the country’s oil and sugar cane ethanol industries helping to push demand, Torto said. New York’s decline paralleled a drop in financial services employment, he said.

Offices in New York averaged $68.93 a square foot at the end of September, compared with $87.47 in Rio and $81.81 in Sao Paulo, South America’s biggest city.

Rio office costs increased 12.1 percent, the second biggest increase in the survey. Sao Paulo has about 115 million square feet of offices, about the size of Chicago’s office market, according to Torto.

Offices in Rio will likely get more expensive as the country begins preparing for the 2016 Olympic Games, the report said.

“With the emerging economies, their office markets are much more volatile, and they have a much more limited supply of grade-A office space,” said Dan Fasulo, managing director of Real Capital Analytics Inc., a New York-based firm that tracks commercial property sales. “So when there’s an economic boom, there’s always a violent increase in occupancy costs due to constrained supply.”

Tishman Projects

Tishman Speyer Properties LP, the global real estate company whose office buildings include Manhattan’s Rockefeller Center and the MetLife Building, entered the Brazil market 13 years ago and has built or is building 21 office projects there. Eighteen are in Sao Paulo and three are in Rio, said Katherine Farley, a senior managing director who oversees the New York firm’s Brazilian operations.

The company has had success providing “international- quality” Class A offices in Brazilian cities where even the highest-quality buildings are mostly not air conditioned, she said.

“Because historically there has been no commercial lending, most of the projects that are built are built with equity,” she said. “What you saw happening in Brazil, they were one of the last economies hit by the global liquidity crisis, and one of the first to come back. We’re back to the levels before the crisis; you see a kind of V-shaped reaction.”

Brazil may grow 5 percent in 2010 after an expected 0.2 percent growth this year, according to the median forecast in a Nov. 27 central bank survey of about 100 economists.

Rio was among 41 cities in the survey where costs rose. The biggest increase was in Aberdeen, Scotland, where office costs jumped 12.3 percent. Sao Paulo office costs were little changed.

CB Richard Ellis defines occupancy costs as a rental charges including taxes and service fees.

To contact the reporters on this story: David M. Levitt in New York at dlevitt@bloomberg.net; Simon Packard in London at packard@bloomberg.net.

Last Updated: December 1, 2009 17:07 EST

O mico do século

exame/finanças

O mico do século

Há três anos, a venda de um conjunto de 110 prédios no coração de Manhattan foi o maior negócio imobiliário da história — hoje, é um ícone do estouro da bolha

Mark Lennihan/AP Photo
Os prédios marrons de Stuyvesant Town e Peter Cooper Village: deu tudo errado

 tishman

Por Tiago Lethbridge, de Nova York | 15.10.2009 | 00h01

 

Numa cidade que, antes de qualquer coisa, é célebre por seus arranha-céus, o modesto conjunto de prédios de tijolos da foto ao lado nunca chamou lá muita atenção. Formado por 110 prédios, os condomínios Stuyvesant Town e Peter Cooper Village são um discreto refúgio da confusão de Manhattan. O complexo foi inaugurado em 1947 e era uma das raras alternativas viáveis de moradia para quem não ganhava muito dinheiro e, mesmo assim, fazia questão de morar no pedaço de terra com o metro quadrado mais caro dos Estados Unidos. Foi assim por quase seis décadas, até que esse plácido minibairro foi catapultado à condição de ícone da maior bolha imobiliária da história. Em outubro de 2006, a incorporadora Tishman Speyer comprou o complexo por 5,4 bilhões de dólares. Foi a maior aquisição da história do mercado imobiliário americano. Passados apenas três anos, já se pode dizer que o investimento foi um tremendo fiasco. O valor da propriedade caiu mais de 60%. Hoje, o dinheiro do aluguel pago pelos 25 000 moradores não cobre metade do serviço da dívida levantada para a aquisição. Nesse ritmo, segundo um relatório da agência de classificação de risco Fitch, a Tishman pode dar um calote nos credores até o fim do ano. Eis a distinção de Stuyvesant Town e Peter Cooper Village entre seus pares famosos — é o mico imobiliário do século.

Incorporadoras retomam megaprojetos – 13/10/2009

Incorporadoras retomam megaprojetos – 13/10/2009

Fonte:Valor Online

Com o reaquecimento do mercado imobiliário, as incorporadoras estão tirando da gaveta os megaprojetos. Todos haviam ficado completamente fora do radar durante a fase mais aguda da crise. Por mais de um ano, as empresas não se aventuraram a lançar nada além dos empreendimentos convencionais, em terrenos pequenos, centrais e com um único prédio. Mais animadas com o cenário econômico e a resposta rápida do comprador de imóveis, agora voltam a investir nos projetos com volumes de vendas vultosos – de mais de uma torre, lançados em várias fases, que podem ser ancorados por edifícios comerciais e até shoppings no mesmo terreno.

No auge da crise, empresas menores ou em dificuldades não conseguiam manter grandes terrenos e, principalmente, ter caixa para erguer esses projetos. Foi quando as empresas mais capitalizadas viram a oportunidade de ter nas mãos projetos importantes em localizações privilegiadas a um preço relativamente baixo. A americana Tishman Speyer e Helbor seguiram essa lógica e já se preparam para testar a demanda pelos condomínios de grande porte.

A Tishman Speyer, que fez tradição no mercado residencial brasileiro de alto padrão, desce um degrau e estreia nos mega-projetos para a classe média. Lança, ainda em outubro, um empreendimento com 11 torres e 1180 unidades em um terreno de 93 mil m2 na Raposo Tavares. A construção acontece em três fases, sendo que a primeira terá quatro torres e 432 unidades. O VGV total do empreendimento deve chegar a R$ 500 milhões. “Não queremos projetos pequenos, abaixo de R$ 100 milhões, ou commodities, como os populares”, afirma Daniel Cherman, presidente da Tishman no Brasil.

A incorporadora americana comprou o terreno da Inpar (que continua com 25% do negócio) no período em que a empresa estava vendendo projetos para levantar caixa. Pagou R$ 20 milhões e ficou como majoritária no negócio. A Tishman atua por meio de fundos. Deve começar a fazer a terceira captação para o Brasil entre o final deste ano e início do próximo. “Temos estrutura de fundo e precisamos do retorno adequado”, diz Cherman. “Esse tipo de empreendimento tem um diferencial importante pelo volume e localização.”

Um dos últimos grandes terrenos da zona Oeste de São Paulo, na avenida Francisco Matarazzo, deve ser um dos próximos a entrar no rol dos megaempreendimentos. A Helbor comprou 50% de um projeto da Setin por R$ 50 milhões. Aguarda as aprovações para lançar até o começo de 2010 um empreendimento com uma torre comercial com 475 salas pequenas e quatro torres residenciais com 384 apartamentos cada. A Casa das Caldeiras – que abriga eventos – e é tombada será um café . O VGV total soma R$ 310 milhões. “Não tem como um projeto desse porte dentro de São Paulo dar errado”, afirma Henry Borenstein, vice-presidente executivo da Helbor.

A Cyrela está em fase de vendas do Nova América, um projeto com cinco cinco condomínios residenciais e uma torre comercial em um terreno de 70 mil metros quadrados em frente ao Hotel Transamérica. A Gafisa, que ficou conhecida pelo Villagio Panamby e Colina São Francisco- mais de 40 torres – está em busca de novas áreas. “O desafio é encontrar terrenos adequados, mas o conceito é vencedor”, diz Antonio Carlos Ferreira, diretor de incorporação.

A vantagem para a incorporadora está no alto volume de vendas que um projeto como esse traz para a empresa e a possibilidade de captar a evolução do seu preço durante as fases, aproveitando a valorização do empreendimento. Por outro lado, esse tipo de projeto tem um grande risco regulatório. Conseguir todas as aprovações necessárias para lançar um projeto como esse pode levar anos (com alto custo de carregamento), além de ficar disponível num momento ruim do mercado ou quando a empresa tem pouco caixa.

Há pelo menos dois casos emblemáticos de grandes terrenos parados por conta de aprovação: um projeto de alta renda da Bueno Netto, no Morumbi (zona Sul de São Paulo), que prevê a construção de um campo de golfe, e o da Telefônica, de 250 mil m2 comprado pela Tecnisa por R$ 120 milhões, que depois vendeu 20% para a Agra. Pelo projeto original, a Tecnisa construiria 30 edifícios, com um total de mais de 3,5 mil apartamentos de médio e alto padrão, além de duas torres comerciais naquela área, com um valor geral de vendas total de R$ 2 bilhões.

A oferta já é grande. Segundo levantamento da Lello, apenas na cidade de São Paulo até julho deste ano, havia 153 empreendimentos prontos na cidade de São Paulo. Em 2009, há 79 condomínios para serem entregues e para 2010, 110 em terrenos entre cinco e dez mil m2. Ao todo, chegarão ao mercado mais de 40 mil apartamentos.

Ventura Corporate Towers recebe certificação ambiental green building na categoria ouro – 23/9/2009

Ventura Corporate Towers recebe certificação ambiental green building na categoria ouro – 23/9/2009

Fonte:Pini Web

Projeto e construção do complexo comercial da Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário e Tishman Speyer seguiram recomendações do sistema Leed

Ana Paula Rocha

Divulgação: Tishman Speyer

O USGBC (U.S. Green Building Council) concedeu a certificação ambiental green building na categoria ouro para o Ventura Corporate Towers, complexo de escritórios de alto padrão, construído pela incorporadora Tishman Speyer em parceria com a Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário. O edifício, localizado no Rio de Janeiro, foi certificado com base no sistema de classificação Leed (Leadership in Energy and Environmental Design).

Para obter a certificação, os empreendedores adotaram ações sustentáveis em relação ao projeto e construção do empreendimento. Entre elas, a redução no consumo de energia, utilização de materiais recicláveis e recursos renováveis, manutenção da qualidade do ar interno, utilização de madeira certificada pelo FSC (Forest Stewardship Council) e desvio do resíduo gerado na obra para aterros, entre outras ações. Além disso, 57% de todo material adquirido é de origem local, ou seja, foram fabricados/extraídos à distância de até 800 km da obra.

Segundo a Tishman e a Camargo Corrêa, a performance ambiental do edifício possibilitou uma economia de 38,7% no consumo de água potável, comparado ao padrão norte-americano (previsão de economia baseada nos cálculos e parâmetros do Leed) e 30% de redução da vazão e volume de água lançada na rede pública durante as chuvas.

O projeto do Ventura Corporate Towers é constituído por duas torres de escritórios com 36 andares cada uma. A primeira torre do empreendimento foi entregue no ano passado e alugada pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e Petrobras. Já a segunda, ainda em construção, será concluída em 2010.

Edifício da década de 30 será revitalizado no Rio de Janeiro – 24/9/2009

Edifício da década de 30 será revitalizado no Rio de Janeiro – 24/9/2009

Fonte:Pini Web

Projeto da Ecotech Arquitetura preserva a fachada e moderniza instalações do edifício Sul America para abrigar salas comerciais, lojas e restaurantes

Ana Paula Rocha

A Tishman Speyer inicia em setembro as obras de retrofit do edifício Sul América, no centro do Rio de Janeiro. Com projeto do escritório carioca Ecotech Arquitetura e Gerenciamento, a reforma inclui a preservação da fachada, instalação de sistema de ar condicionado central e a modernização das instalações elétricas, hidráulicas e de telecomunicações. Quando pronto, o edifício abrigará lojas e restaurantes no térreo e oito pavimentos de salas comerciais.

Divulgação: Ecotech

“Todo o centro do Rio de Janeiro passa por uma ampla revitalização e queremos integrar essa iniciativa a todo esse processo”, afirma Daniel Cherman, presidente da Tishman Speyer. A reforma está orçada em R$ 150 milhões.

Com 28 mil m² de área construída, o projeto original do edifício Sul América foi concebido na década de 1930. “Para fazer o retrofit, tivemos que partir de algumas premissas impostas pelo patrimônio histórico, que exigiu, entre outras coisas, a preservação de toda a fachada até o quinto pavimento”, explica Thiago Madeira, arquiteto da Ecotech Arquitetura e Gerenciamento. “A partir do sexto andar poderíamos refazer a fachada desde que mantivéssemos o mesmo partido arquitetônico”, completa.

De acordo com Madeira, o Zoneamento do Corredor Cultural, que dispõe sobre o tombamento dos imóveis no Rio de Janeiro, também solicitou que a estrutura do prédio fosse mantida. “Por isso, do primeiro ao nono pavimento a área da laje varia, reduzindo um pouco no sexto e sétimo andar, e ainda mais no oitavo e nono, como se fosse um bolo de casamento”, conta o arquiteto.

Internamente, o térreo vai abrigar quatro lojas e dois restaurantes. “Criamos ainda um anexo para a praça de alimentação, que vai servir também como uma área externa e acesso para a Rua do Carmo”, afirma o arquiteto. O novo Sul América, localizado no quadrilátero formado pelas Ruas do Carmo, Quitanda, do Ouvidor e do Rosário, terá outras três entradas, sendo uma exclusiva para os escritórios comerciais.

O retrofit dos oito pavimentos destinados a escritórios foi a parte mais complexa do projeto. Para não modificar o projeto estrutural, exigência feita pela Tishman, os arquitetos tiveram de manter duas escadas do edifício, que foram pressurizadas. “Mantivemos ainda as quatro caixas de elevadores existentes, de modo que o núcleo do pavimento tipo não ficasse muito linear”, conta Thiago Madeira. Além deles, outros três novos elevadores serão instalados no edifício.

O subsolo, por fim, será utilizado pelas lojas e para ambientes de serviços, como os vestiários. Confira as imagens do projeto:

Divulgação: Ecotech
Projeto de restauro
Divulgação: Tishman Speyer
Detalhe da fachada atual
Divulgação: Ecotech
Planta do térreo

Crise de imóveis comerciais nos EUA põe Tishman Speyer à prova

Crise de imóveis comerciais nos EUA põe Tishman Speyer à prova

    Lingling Wei, The Wall Street Journal
    19/08/2009

Uma sociedade liderada pela Tishman Speyer Properties está inadimplente de uma dívida associada a um dos maiores conjuntos de escritórios de Washington, a mais recente de uma série de reveses para a proeminente incorporadora americana.

A Tishman Speyer pagou US$ 2,8 bilhões no fim de 2006 pelo que ficou conhecido como o portfólio CarrAmerica – uma coleção de 28 edifícios alugados para grandes escritórios de advocacia, lobistas e outros inquilinos de alto padrão em Washington e nos arredores. Mas, ao tirar proveito do crédito fácil da época, a Tishman acabou pagando em excesso.

Com o aumento da vacância de escritórios e a queda dos aluguéis, a sociedade deixou de cumprir exigências do credor. A Tishman também tem de encontrar um meio de refinanciar a dívida quando ela vencer, em 2011, algo que analistas dizem ser bastante improvável. A Tishman-Speyer não está ela mesma ameaçada pelos problemas.

Apesar de seu tamanho, o CarrAmerica é um dos investimentos menos conhecidos do império da Tishman Speyer, que inclui o Rockefeller Center e o Chrysler Building em Nova York. No Brasil, a empresa lista quatro propriedades, entre elas o Rochaverá Corporate Towers e a Torre Norte do Centro Empresarial Nações Unidas em São Paulo e o Ventura Corporate Towers no Rio.

Além do CarrAmerica, a Tishman também enfrenta a pressão crescente de suas outras aquisições americanas feitas no auge do boom imobiliário, entre elas o ArchstoneSmith, um fundo imobiliário de apartamentos de luxo, e os enormes complexos de apartamentos Peter Cooper Village e Stuyvesant Town em Nova York. Os problemas mostram que mesmo as maiores empresas do negócio imobiliário não conseguem escapar da turbulência cada vez maior que afeta o setor.

É também um teste das habilidades empresariais de Rob Speyer, um ex-jornalista de 39 anos. Filho de Jerry Speyer – um ex-presidente do Federal Reserve (o banco central americano) de Nova York e presidente do Museu de Arte Moderna da cidade -, ele está sendo treinado para assumir a Tishman Speyer, uma empresa de 31 anos que tem capital fechado e possui ou administra propriedades avaliadas em mais de US$ 35 bilhões em países como Alemanha e China, além dos EUA e Brasil.

Como outras transações feitas nos anos de expansão imobiliária, a do CarrAmerica foi feita sob a premissa de que os aluguéis e a ocupação subiriam, e não o contrário. Agora, de acordo com a Standard & Poor’s, a sociedade da Tishman violou condições de sua linha de crédito rotativo de US$ 200 milhões porque o fluxo de caixa das propriedades mal cobre o serviço da dívida.

“Temos um punhado de negócios difíceis que fizemos no auge do mercado”, disse Rob Speyer ao Wall Street Journal ontem. Mas a empresa tem “um bom histórico de desempenho do qual nos orgulhamos”, disse Speyer, que estava em São Paulo, onde visitava os projetos da firma e avaliava novas oportunidades.

A sociedade que comprou o portfólio CarrAmerica tem desde o fim de 2008 discutido com seus credores, liderados pelo Lehman Brothers Holdings Inc., mudanças no acordo de crédito, segundo a S&P. Mas por enquanto nada aconteceu e, até agora, as conversas foram mantidas em sigilo. “Temos confiança no valor de longo prazo das propriedades”, disse Rob Speyer.

A S&P advertiu que, mesmo que a Tishman consiga novos termos, sua capacidade de refinanciar os empréstimos em 2011 “vai provavelmente exigir investimento de capital adicional ou uma recapitalização”. Uma incapacidade de refinanciar a dívida pode forçar a Tishman a abrir mão de alguns dos prédios.

Os problemas da Tishman e de outras incorporadoras estão alimentando temores entre autoridades e banqueiros de que a turbulência no mercado de imóveis comerciais pode descarrilar a recuperação econômica. Cerca de US$ 128 bilhões em edifícios de escritórios, hotéis, lojas e outras propriedades comerciais estão agora inadimplentes, em execução judicial ou concordata, segundo a Real Capital Analytics.

A Tishman Speyer tirou proveito do crédito fácil e não colocou muito dinheiro próprio em seus investimentos. Na transação do CarrAmerica, de US$ 2,8 bilhões, a Tishman recrutou uma dúzia de parceiros, entre eles o Lehman Brothers, para que colocassem dinheiro no investimento, bastante alavancado, segundo pessoas a par da questão. O vendedor foi o Blackstone Group, que vendeu o portfólio com um enorme lucro apenas meses depois de o ter comprado da CarrAmerica Realty Corp.

Os Speyers notam que a firma teve retornos anuais sobre o investimento de mais de 20% desde o surgimento e atualmente tem mais de US$ 2 bilhões em caixa para investir em novos negócios. Jerry Speyer, que também participou da entrevista por telefone, disse que seu filho também foi responsável por vender mais de US$ 12 bilhões em propriedades no auge do mercado.

Tishman muda comando no Brasil

Construção:

Tishman muda comando no Brasil

    Daniela D’Ambrosio, de São Paulo
    13/08/2009
Davilym Dourado/valor
Foto Destaque
Daniel Cherman assume a presidência da Tishman Speyer depois de nove anos na companhia como diretor executivo

Desde abril, havia uma dúvida no mercado imobiliário sobre o comando da Tishman Speyer no Brasil. Daniel Citron, que presidiu a operação durante oito anos, saiu para um sabático de pouco mais de três meses, enquanto Daniel Cherman assumiu interinamente a multinacional no país. Ontem, a empresa anunciou Cherman oficialmente como o novo presidente. Citron ainda permanece no negócio, principalmente pelo trânsito que tem entre os investidores – num cargo batizado de consultor sênior.

Ambos estão na companhia desde 2001, pouco antes de a Tishman desfazer a parceria que tinha com a Método Engenharia e alçar voo solo no país. Antes da Tishman, Citron, de 55 anos, trabalhou na Cyrela e fez o IPO da companhia. Cherman, 43 anos, trabalhou na Birmann, empresa do setor imobiliário, por 12 anos. “Na área estratégica, além do contato com investidores, vou procurar parcerias e estudar novos mercados”, diz Citron, sem detalhar planos.

A Tishman Speyer, que é proprietária de edifícios como o Rockfeller Center em Nova York, foi duramente afetada pela crise nos Estados Unidos. No Brasil, está retomando os negócios depois de um período morno. A empresa, cujo capital para investimento nos projetos é levantado através de fundos, se prepara para uma nova captação no fim deste ano. O tamanho dependerá da demanda e será um teste importante para a empresa, mas fala-se em algo na casa de R$ 800 milhões.

A Tishman, assim como outros fundos, quer aproveitar o entusiasmo dos investidores -sobretudo os estrangeiros – com o Brasil para capitalizar-se e poder tocar novos investimentos. No auge do mercado, entre 2007 e 2008, captou os dois primeiros fundos exclusivos para o Brasil, que somaram R$ 1,5 bilhão – os projetos anteriores receberam recursos de fundos globais. O destino do capital já está definido, mas apenas 35% foi investido até o momento. Tem dois edifícios comerciais em fase de obras – a segunda torre do Ventura, no Rio, e um prédio de 32 mil m2 em Alphaville.

Neste segundo semestre, ela começa a construção de um edifício comercial de 21 andares no Rio de Janeiro, na avenida Presidente Vargas, onde vai investir R$ 120 milhões. Ainda este ano, fará seu primeiro retrofit (reforma) no Brasil no Rio, em um projeto de mais R$ 120 milhões.

O ano de 2009 também marca a volta da Tishman Speyer aos lançamentos residenciais – o Brasil marcou a estreia mundial da companhia no setor. Com três edifícios prontos e dois em construção, a empresa reduziu o ritmo de projetos depois da fase de abertura de capital. “Não estávamos dispostos a pagar preços inviáveis pelos terrenos”, afirma Cherman. Com tradição em alta renda, entra no médio padrão com um projeto de grande porte: mais de mil unidades em três fases. A Inpar é dona de 25% do projeto, que fica na rodovia Raposo Tavares, em São Paulo. “Esse é o limite mínimo que chegamos, não sabemos fazer e não temos interesse na baixa renda”, diz Cherman.

%d blogueiros gostam disto: