Arquivo

Posts Tagged ‘boas noticias’

Abertura do Plantão Martese Alto da Lapa – Brasil Brokers – EVEN

Convite para Abertura do Plantão Hoje ! Dia 01/Novembro/2014

convite Martese 01 e 02 Nov

http://www.slideshare.net/JonasdeAlmeidaFederi/martese-alto-da-lapa-abertura-do-planto-01novembro2014

OPORTUNIDADE DO ANO

PREÇO DE LANÇAMENTO DO 5o andar – referencia – R$ 8.690,00/m2

Se houver interesse me procure no 9.63500239 ou me envie um email no jonasjr@brbrokerssp.com.br para mais detalhes

Imperatriz – Imagens PRELIMINARES

Anúncios

Atrasada, Brookfield revê estratégia e ganho sobe

Atrasada, Brookfield revê estratégia e ganho sobe
De São Paulo
12/11/2010

A Brookfield está no grupo das grandes pelo volume de lançamentos e vendas, mas sempre ficou aquém nos resultados financeiros. Nos últimos trimestres, porém, a companhia tem conseguido tirar a desvantagem que tinha em relação a outras construtoras e incorporadoras, embora ainda mantenha algumas métricas abaixo da média de mercado.

“Estamos atrasados em relação aos nossos pares”, reconhece Nicholas Reade, presidente da companhia. “Não crescemos tanto quanto os concorrentes nos anos de 2007 e 2008”, diz.

Por conta dessa defasagem, a companhia adotou uma série de medidas. Segundo Reade, além do controle das despesas – as despesas de vendas e marketing, como percentual da receita líquida, passaram de 5,6% no terceiro trimestre de 2009 para 4,8% no terceiro trimestre de 2010 -, a empresa está vendendo ativos e buscando sócios financeiros em projetos.

A empresa vendeu para a Veremonte Real Estate um terreno onde fica a antiga sede do BCN. “Era um projeto de longa maturação e queremos antecipar resultados”, diz. Paralelamente, está aumentando a exposição à baixa renda, cujos giro e, consequentemente, retorno são mais rápidos.

O lucro líquido atingiu R$ 80,8 milhões no terceiro trimestre de 2010, um aumento de 46,9% quando comparado com o mesmo período de 2009. Nos primeiros nove meses do ano, o lucro líquido atingiu R$ 266 milhões, o que representa 131% do lucro líquido de todo o ano passado. A margem líquida foi de 12,9%, ainda abaixo da média de mercado do setor no primeiro semestre, de 15%.

Segundo Reade, um dos indicadores que mostra a recuperação dos resultados é que vendas contratadas e receita estão praticamente no mesmo nível – R$ 2,6 bilhões em vendas para R$ 2,3 bilhões em receita, o que não acontecia no ano passado. A velocidade de vendas, de 15%, ainda está abaixo da média do mercado. As vendas de residenciais foram de R$ 730 milhões no trimestre para uma média de R$ 470 milhões nos dois primeiros trimestres do ano. (DD)

.

Petrobras Raises $70 Billion in World’s Largest Share Sale

setembro 24, 2010 1 comentário

Petrobras Raises $70 Billion in World’s Largest Share Sale

By Peter Millard – Sep 24, 2010 1:28 PM GMT-0300
Petrobras Raises $70 Billion in Largest Share Offering
 

Sept. 24 (Bloomberg) — Petroleo Brasileiro SA, the state-controlled oil company, raised 120.4 billion reais ($70 billion) from the Brazilian government and other investors in the world’s largest share sale as it seeks cash to develop offshore fields. Bloomberg’s Cecilia Tornaghi reports.(Source: Bloomberg)

Petroleo Brasileiro SA, Brazil’s state-controlled oil producer, raised as much as $70 billion in the world’s largest share sale as investors bet on its plans to double output within a decade by tapping offshore fields.

Petrobras, based in Rio de Janeiro, sold 2.4 billion common shares for 29.65 reais each and priced 1.87 billion preferred stock at 26.30 reais apiece. The company sold 115 billion reais ($67 billion) of shares and banks have an option to buy another 5 billion reais, according to a statement sent late yesterday.

Petrobras is spending about $224 billion over the next five years to boost production to 5.38 million barrels a day by tapping deposits trapped under a layer of salt beneath the ocean floor. The share sale was priced at a 2 percent discount to yesterday’s close, suggesting investors are backing Petrobras’s plans to overtake industry rivals such as Royal Dutch Shell Plc.

“Many of the other global majors are being challenged because their reserves are being depleted,” said Ron Holt, chief executive officer of Hansberger Global Investors Inc. in Fort Lauderdale, Florida, which manages $8 billion. “If you look at the potential capital expenditures that the company has planned for the next several years, that is a very significant potential exploration project for them.”

The company is tapping demand for emerging-market assets to develop deposits including Tupi, the largest discovery in the Americas in three decades. The field, and the nearby Libra deposit in the so-called presalt region off the Brazilian coast, may each contain as many as 8 billion barrels of oil.

‘Growth Profile’

“In Petrobras, you have an obvious growth profile,” said Robbert van Batenburg, head of equities research at Louis Capital Markets in New York. “They face growing pains while other guys struggle to replace reserves,” he said.

Petrobras has slumped 27 percent this year on concern the sale will cut earnings and boost state interference.

The company’s preferred shares fell 13 centavos, or 0.5 percent, to 26.67 reais in Sao Paulo trading at 12:13 p.m. New York time, while the common stock dropped 0.7 percent to 30.03 reais.

As part of the share sale, Petrobras issued about $42.5 billion of stock to Brazil’s government in exchange for the rights to develop 5 billion barrels of oil reserves. The sale includes an over-allotment option by underwriters to sell 188 million shares, or about $3 billion, over the next 30 days.

The sale may signal President Luiz Inacio Lula da Silva is paving the way for greater control over the Brazilian economy before the likely election of his chosen successor Dilma Rousseff next month.

‘Biggest Capitalization’

“It wasn’t in Frankfurt, it wasn’t in New York, it was in our Sao Paulo exchange that we carried out the biggest capitalization in the history of capitalism,” Lula said at an event in Sao Paulo today.

Production at Shell, based in The Hague, was about 3.15 million barrels a day in 2009, compared with 3.25 million a year earlier, according to its annual report. Exxon Mobil Corp. produced about 3.93 million barrels in 2009, from 3.92 million a year earlier.

Prior to the sale, Petrobras was valued at 8.03 times its estimated earnings for this year, according to data compiled by Bloomberg. That compares with 10.6 times for Beijing-based PetroChina Co., Asia’s biggest company by market value, and 10.8 times Irving, Texas-based Exxon, the world’s largest company by market capitalization, the data showed.

A total of 18 equity offerings were completed this year by Brazilian companies before Petrobras’ sale, raising $12.4 billion, data compiled by Bloomberg show. The shares have gained 20 percent on average.

Increased Control

The government increased its stake in the company to 48 percent from 40 percent after the share sale, Finance Minister Guido Mantega said at an event in Sao Paulo today. That includes minority stakes held by state-owned banks.

Before the sale, the government controlled the company through 55.6 percent of voting shares. Petrobras didn’t disclose the government’s voting stake after the offering.

Lula is tightening the state’s grip on the domestic oil industry after Tupi was discovered in 2007, the largest find in the Western Hemisphere since Mexico’s Cantarell in 1976. He says Brazil is relying on the country’s oil wealth to help raise the nation’s 192 million residents out of poverty.

Chief Executive Officer Jose Sergio Gabrielli plans to double output to 5.38 million barrels a day by 2020, from 2.7 million barrels in 2010.

China Sale

The Petrobras sale amounted to about 18 percent of the value of all equity offerings completed in 2010 and exceeded by three times the record initial public offering of $22.1 billion by Agricultural Bank of China in July, according to Bloomberg data.

About $379 billion has been raised by companies selling shares this year, the same pace as a year ago, data compiled by Bloomberg show. A total of 167 equity offerings valued at $29.5 billion have been postponed or withdrawn around the world this year, the most since at least 1998, the data show.

Brazilian companies have struggled to raise as much as they sought in initial public offerings this year amid speculation higher interest rates and swelling budget deficits in Europe would slow the global economic recovery. Renova Energia SA, a Brazilian developer of wind and hydroelectric power, raised 150 million reais, a fifth of what it had initially planned.

OSX Brasil SA, billionaire Eike Batista’s shipbuilding company, raised 2.45 billion reais in March in Brazil’s biggest IPO this year. That was about 7.5 billion reais less than the company originally sought.

Of the 5 billion barrels Petrobras will get from the government, about 3.1 billion barrels will come from the Franco field, while the Iara and Florim fields will account for another 1.07 billion. Petrobras will also receive the rights to oil at Tupi Northeast and South, as well as the Guara East fields.

To contact the editor responsible for this story: Dale Crofts at dcrofts@bloomberg.net

Época Negócios Pesquisa – Sonho do Brasileiro

Otimista, esperançoso e individualista, consumidor da classe A à classe C anseia por estabilidade, desenvolvimento profissional e conforto da família – e sente falta de melhor educação. Confira principais pontos da pesquisa Synovate/Época NEGÓCIOS Alexandre Teixeira

Época NEGÓCIOS

Época NEGÓCIOS

Crédito imobiliário: Do bolo de R$ 107,7 bi, atingido em maio, 75% foram originados por instituições públicas

Crédito imobiliário: Do bolo de R$ 107,7 bi, atingido em maio, 75% foram originados por instituições públicas

Banco privado pena para roubar fatia de mercado da Caixa

    Adriana Cotias, de São Paulo
    24/06/2010

O fantástico crescimento de 50% do estoque de crédito imobiliário nos últimos 12 meses, que chegou a R$ 107,7 bilhões no fim de maio, não tem oferecido chance para que os bancos privados ganhem fatias maiores desse promissor mercado. A competição se acirrou, porque todos querem tirar partido do carro-chefe do crescimento do crédito, mas, pelos dados divulgados ontem pelo Banco Central, o bloco das instituições financeiras públicas – de longa data liderado pela Caixa Econômica Federal – responde por 75% do bolo. Em dezembro de 2008, o percentual era de 71% e, portanto, o que se vê é até um crescimento da participação da Caixa, fomentado pelo programa federal de residências populares Minha Casa Minha Vida.

Os bancos privados tentam, agora, tirar partido do gargalo operacional da Caixa para atender em suas agências a toda a demanda por financiamentos da casa própria. Liberar o crédito no menor tempo possível passou a ser o mote dos executivos à frente dessas carteiras nas instituições privadas. Há relatos de recursos aprovados em até sete dias.

Os grandes nomes do varejo encontram demanda reprimida em sua própria base de clientes e definem estratégias para acessá-la, enquanto tentam conquistar fatias no entorno, fortalecendo, por exemplo, as parcerias com imobiliárias para oferecer empréstimos no ponto de venda dos imóveis.

“O mercado está mais competitivo, mas em termos de penetração, nos nossos cliente bancarizados, ainda é incipiente”, diz o superintendente de crédito imobilário do Santander, Fernando Baumaier. “Ainda há um grande caminho a percorrer para dizer que o produto está deslanchando e se disseminado no mercado.” Como um dos primeiros bancos privados a apostar suas fichas no segmento – com o lançamento, em 2006, do financiamento com taxas prefixadas, antes de o Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovar o uso dos recursos da poupança para a modalidade -, Baumaier conta que, hoje, quase não há distinção no produto entre os concorrentes. “Os outros começaram a fazer o que fazíamos, então o diferencial é atender a expectativa do cliente de prazo de liberação do empréstimo.”

A carteira do Santander, que somava R$ 9,7 bilhões ao fim do primeiro trimestre, teve um incremento de 40% em relação ao mesmo período do ano passado, considerando-se também os desembolsos à construção. A parcela destinada à pessoa física somava R$ 5,4 bilhões, sensivelmente menor do que os saldos em cartões de crédito e consignado, na casa dos R$ 8 bilhões. Nos contratos ajustados pela Taxa Referencial (TR), os juros partem de 8,90% para imóveis até R$ 120 mil, enquanto nas operações prefixadas começam em 12,54% ao ano para o prazo de 30 anos.

No Bradesco, para imóveis até R$ 150 mil, os juros cobrados nos primeiros 36 meses são de 7,90% mais a TR, passando a 9,50% a partir do 37º mês até o fim do contrato, em 30 anos. “É uma febre. O mercado está muito disputado”, diz o diretor de empréstimos e financiamento, Nilton Pelegrino. Simplificar processos e colocar especialistas em crédito à habitação junto às 1,3 mil imobiliárias parceiras foi a forma escolhida para tentar ganhar terreno e transpor as fronteiras da própria base. O banco instalou 23 escritórios dedicados ao crédito imobiliário em grandes capitais e pretende elevar o número a 50 ao longo do ano. As consultas e simulações na ponta já são online e feitas pelos próprios corretores. “A pretensão é liberar o financiamento em 10 dias.”

Comparativamente ao primeiro trimestre de 2009, os desembolsos cresceram 182%, e atingiram R$ 1,84 bilhão. A previsão do banco é originar R$ 6,5 bilhões no total até dezembro, o que vai representar um incremento de 38% em relação ao ano passado. No mix, a maior fatia ainda é das concessões à pessoa jurídica, que representaram 81,7% nos primeiros meses do ano. Na composição da carteira, de R$ 7,5 bilhões, a pessoa física respondia por 37,1%.

Já o HSBC trouxe, há cerca de um ano, para os seus quadros Antônio Barbosa, executivo oriundo da área de crédito imobiliário do Banco Real para colocar o segmento no mapa do mercado também no país. “O financiamento à habitação está no DNA do banco no mundo.” A intenção, explica, é conquistar uma fatia de mercado semelhante à que a instituição tem no varejo bancário, algo perto dos 5%, 6%, o dobro da atual. Ser ágil na finalização do processo de concessão com 60 especialistas presentes nas principais capitais do país foi o caminho adotado para abreviar a espera do mutuário para menos de 30 dias. “Mas temos caso de operação liberada em sete dias.” A meta é incrementar a carteira de pessoa física, que fechou 2009 em R$ 1,3 bilhão, em mais de 50%.

Apaixonados por construção

Gestores de recursos aplicam R$ 6,6 bi em papéis do setor via fundos de investimento.

Apaixonados por construção

    Por Daniela D’Ambrosio, de São Paulo
    24/06/2010

O aquecimento do mercado imobiliário no ano passado – com reflexo direto na valorização das ações do setor, que subiram 205% em 2009 – e a perspectiva de crescimento consistente das companhias abertas por, pelo menos, mais três anos, seduziram os gestores de renda variável. Segundo estudo feito pela Economática com exclusividade para o Valor, a indústria de fundos investe R$ 6,6 bilhões nos papéis de construção civil.

Os dados são de fevereiro e mostram que a destinação de recursos dos fundos no setor de construção civil está aumentando. Em janeiro, os investimentos totais das gestoras de recursos eram de R$ 5,4 bilhões – uma diferença de 22,2%. O total em construção em fevereiro é quase 60% dos R$ 11,3 bilhões que os gestores aplicam no setor bancário, segmento mais maduro e consolidado e com maior participação no Índice Bovespa.

O setor financeiro representa 17,3% do Ibovespa. As empresas de construção civil presentes no índice – Cyrela, Gafisa, MRV, PDG Realty e Rossi – somam 8,1% do referencial. É mais do que setores que já brilharam na bolsa em outros momentos, como telecomunicações, varejo e alimentos e bebidas.

O aumento da construção civil no índice é recente e o volume de recursos detectado pelo levantamento é um reflexo direto disso, já que boa parte dos fundos, sejam ativos ou passivos, usa o Ibovespa como referencial. No fim de 2007, estavam do índice apenas Cyrela e Gafisa. Em 2008, entrou Rossi e, por último, PDG Realty e MRV. No IBrX -100, há oito construtoras, com participação de 3,3%.

De acordo com o levantamento, a gestora que mais investe no setor é o Itau Unibanco, com R$ 766 milhões, seguida do Credit Suisse Hedging-Griffo, com R$ 553 milhões, Vinci Gas Gestora de Recursos, com R$ 482 milhões e BB DTVM, com R$ 372 milhões. O papel que os gestores mais gostam é a PDG Realty que, com a compra da Agre, passou a liderar o setor. A PDG tem 21% do total investido no segmento, o que corresponde a R$ 1,4 bilhão e está relativamente distante da segunda colocada, a Cyrela, com R$ 580,1 milhões. Gafisa, Brookfield e MRV surgem na sequência. “O setor está barato versus o potencial de crescimento”, diz Clécius Peixoto, gestor de renda variável da Vinci Gas.

Uma análise mais detalhada do estudo – feito com a nova ferramenta de fundos da Economática – mostra que a PDG também aparece como o principal ativo das 20 maiores gestoras. Mas há, também, apostas diferenciadas, de papéis com menos evidência. O J.P. Morgan tem 61% aplicados na ação da São Carlos, empresa que tem como sócios o trio Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira. A São Carlos nasceu dos dos ativos imobiliários da Lojas Americanas e chegou a ser colocada à venda, mas está bastante ativa nos últimos meses, inclusive na compra de imóveis.

A Maxima Asset tem 95,6% do total investido na João Fortes – empresa com forte atuação no Rio, mas com baixa liquidez. A Polo Capital investe em 14 ações diferentes, mas a principal (27,7%) é a Inpar – que enfrentou problemas e hoje está em fase de restruturação nas mãos do fundo americano Palladin. A Fama Investimentos tem 48,5% do total investido no setor na Rodobens, empresa de baixa renda.

Banco Mundial investe em casa popular

Banco Mundial investe em casa popular

    Daniela D’Ambrosio, de São Paulo
    18/06/2010

O Banco Mundial, através do braço privado IFC (International Finance Corporation), fechou o seu primeiro investimento no setor imobiliário. O IFC assinou, ontem, acordo com a Brookfield Incorporações no valor de U$ 47 milhões para a criação de uma empresa de baixa renda, que atuará no programa Minha Casa, Minha Vida. O braço do Banco Mundial está fazendo due dilligence para fechar com mais uma construtora. O objetivo é investir US$ 150 milhões na área imobiliária – tanto em empréstimos, quanto participação direta nas companhias.

%d blogueiros gostam disto: