Brasil – 巴西

Brazil
In a quagmire

Latin America’s erstwhile star is in its worst mess since the early 1990s
Feb 28th 2015 | From the print edition
Timekeeper – The Economist

 

CAMPAIGNING for a second term as Brazil’s president in an election last October, Dilma Rousseff painted a rosy picture of the world’s seventh-biggest economy. Full employment, rising wages and social benefits were threatened only by the nefarious neoliberal plans of her opponents, she claimed. Just two months into her new term, Brazilians are realising that they were sold a false prospectus.

Brazil’s economy is in a mess, with far bigger problems than the government will admit or investors seem to register. The torpid stagnation into which it fell in 2013 is becoming a full-blown—and probably prolonged—recession, as high inflation squeezes wages and consumers’ debt payments rise (see page 71). Investment, already down by 8% from a year ago, could fall much further. A vast corruption scandal at Petrobras, the state-controlled oil giant, has ensnared several of the country’s biggest construction firms and paralysed capital spending in swathes of the economy, at least until the prosecutors and auditors have done their work. The real has fallen by 30% against the dollar since May 2013: a necessary shift, but one that adds to the burden of the $40 billion in foreign debt owed by Brazilian companies that falls due this year.
Escaping this quagmire would be hard even with strong political leadership. Ms Rousseff, however, is weak. She won the election by the narrowest of margins. Already, her political base is crumbling. According to Datafolha, a pollster, her approval rating fell from 42% in December to 23% this month. She has been hurt both by the deteriorating economy and by the Petrobras scandal, which involves allegations of kickbacks of at least $1 billion, funnelled to politicians in her Workers’ Party (PT) and its coalition partners. For much of the relevant period Ms Rousseff chaired Petrobras’s board. If Brazil is to salvage some benefits from her second term, then she needs to take the country in an entirely new direction.

Levy to the rescue?
Brazil’s problems are largely self-inflicted. In her first term Ms Rousseff espoused a tropical state-capitalism that involved fiscal laxity, opaque public accounts, competitiveness-sapping industrial policy (see Schumpeter) and presidential meddling in monetary policy. Last year her re-election campaign saw a doubling of the fiscal deficit, to 6.75% of GDP.

To her credit, Ms Rousseff has at least recognised that Brazil needs more business-friendly policies if it is to retain its investment-grade credit rating and return to growth. This realisation is personified by her new finance minister, Joaquim Levy, a Chicago-trained economist and banker and one of the country’s rare economic liberals (see article). However, Brazil’s past failure to deal promptly with macroeconomic distortions has left Mr Levy to grapple with a recessionary trap.

To stabilise gross public debt, he has promised a whopping fiscal squeeze of almost two percentage points of GDP this year. Part of this is coming from the removal of an electricity subsidy and the reimposition of fuel duty. Both measures have helped to push inflation to 7.4%. He also plans to curb subsidised lending by public banks to favoured sectors and firms.

Ideally, Brazil would offset this fiscal squeeze with looser monetary policy. But because of the country’s hyperinflationary past, as well as more recent mistakes—the Central Bank bent to the president’s will, ignored its inflation target and foolishly slashed its benchmark rate in 2011-12—the room for manoeuvre today is limited. With inflation still above its target, the Central Bank cannot cut its benchmark rate from today’s level of 12.25% without risking further loss of credibility and sapping investor confidence. A fiscal squeeze and high interest rates spell pain for Brazilian firms and households and a slower return to growth. What makes this adjustment perilous is the political fragility of Ms Rousseff herself. On paper she won a comfortable, though reduced, legislative majority in the October election. Yet the PT is already grumbling about Mr Levy’s fiscal policies—partly because the campaign did not lay the ground for them. Ms Rousseff suffered a crushing defeat on February 1st in an election for the politically powerful post of head of the lower house of Congress. Eduardo Cunha, who vanquished the PT’s man, will pursue his own agenda, not hers. Not for the first time, Brazil may be in for a period of semi-parliamentary government.

The country thus faces its biggest test since the early 1990s. The risks are clear. Recession and falling tax revenue may undermine Mr Levy’s adjustment. Any backsliding may in turn prompt a run on the real and a downgrade in Brazil’s credit rating, raising the cost of financing for government and companies alike. Were Brazil to see a repeat of the mass demonstrations of 2013 against corruption and poor public services, Ms Rousseff might be doomed.

From weakness, opportunity
Yet the president’s weakness is also an opportunity—and for Mr Levy in particular. He is now indispensable. He should build bridges to Mr Cunha, while making it clear that if Congress tries to extract a budgetary price for its support, that will lead to cuts elsewhere. The recovery of fiscal responsibility must be lasting for business confidence and investment to return. But the sooner the fiscal adjustment sticks, the sooner the Central Bank can start cutting interest rates.

More is needed for Brazil to return to rapid and sustained growth. It may be too much to expect Ms Rousseff to overhaul the archaic labour laws that have helped to throttle productivity, but she should at least try to simplify taxes and cut mindless red tape. There are tentative signs that the government will scale back industrial policy and encourage more international trade in what remains an over-protected economy.

Brazil is not the only member of the BRICS quintet of large emerging economies to be in trouble. Russia’s economy, in particular, has been battered by war, sanctions and dependence on oil. For all its problems, Brazil is not in as big a mess as Russia. It has a large and diversified private sector and robust democratic institutions. But its woes go deeper than many realise. The time to put them right is now.

http://www.economist.com/news/leaders/21645181-latin-americas-erstwhile-star-its-worst-mess-early-1990s-quagmire 

13/06/2012 às 00h00

Depois da euforia (II): produtividade fraca

Por Fabio Giambiagi

Continuo hoje a série de cinco artigos acerca do meu livro com Armando  Castelar (“Além da euforia”, Editora Campus). O livro trata do “lado escuro da  Lua” da nossa realidade: os problemas, a rigor, conhecidos por todos, mas que  insistimos em não levar em consideração. Após um primeiro artigo geral, o tema  em questão hoje é a nossa baixa produtividade.

A economia brasileira está ingressando em mares nunca dantes navegados: o da  escassez de mão de obra. Em épocas antigas, a necessidade de braços (e mentes)  era abastecida pelo movimento demográfico do país. Entre 1950 e 1960, a  população brasileira cresceu a uma taxa de 3% ao ano, taxa que se manteve  elevada por um par de décadas. Além disso, o Brasil dinâmico era o da indústria  em expansão e a migração campo-cidade assegurava fluxos de trabalhadores aos  borbotões. Como se não bastasse, a expansão da participação das mulheres no  mercado fazia com que a taxa de variação do número de pessoas dispostas a  trabalhar fosse maior que a do número de pessoas em idade de trabalhar.

Quando comecei a estudar economia, em 1980, logo tivemos a crise recessiva de  1981/1983 e a economia entrou em colapso. O investimento despencou e o  desemprego em massa tornou-se um fantasma que assolou toda uma geração. No  Brasil no qual se formou o grupo dos economistas “cinquentões” a que pertenço, o  grande entrave ao crescimento era a escassez ora de demanda – quase sempre – ora  de capital, nas (raras) ocasiões em que o produto potencial não conseguia “dar  conta do recado”, como nos “minibooms” do Plano Cruzado (1986), do Plano Real  (1994/1995) ou, episodicamente, em alguns momentos de 2005, 2008 ou 2010, quando  o governo tinha que subir os juros para esfriar a economia. Falta de mão de  obra, porém, era um não problema, uma categoria analítica que não frequentava  nossa realidade – nem nos meus anos de faculdade do começo dos 80, nem nos 30  anos seguintes.

Agora, porém, as coisas estão mudando (ver tabela). As estatísticas da  Pesquisa Mensal de Emprego (PME) sofreram uma descontinuidade em 2002 e,  portanto, o primeiro ano para o qual é possível definir uma média anual é 2003.  Entre aquele ano e 2010, as taxas de variação média anual das variáveis  População Economicamente Ativa (PEA), População Ocupada (PO) e população  desempregada foram de 1,6%, 2,5% e menos 6,8% (taxa negativa), respectivamente.  Nesse mesmo período, a taxa de variação média da população de 15 a 64 anos foi  também de 1,6% ao ano, similar à da PEA.

A economia brasileira está ingressando em mares   nunca dantes navegados: o da escassez de mão de obra

Em 2011, a PEA e a população de 15 a 64 anos aumentaram 1,2% e 1,3%,  respectivamente, a PO cresceu 2,1% e o número de desempregados diminuiu 10,4%. A  taxa de desemprego média do Brasil está perto do piso. Talvez possa cair mais um  pouco, mas quando chegar a algo em torno de 5%, não haverá novos desempregados  para serem absorvidos estruturalmente. O emprego no passado recente não foi  limitado pela PEA, que nos últimos cinco anos cresceu 1,5% ao ano e, por isso,  foi possível que ele pudesse crescer a taxas elevadas. Já nos próximos anos, em  contraste com essa realidade, a variável passará a ser limitada pela PEA, ao  mesmo tempo em que esta irá a caminho de crescer apenas 1% ao ano daqui a alguns  anos.

O que isso significa? Para entender a plena dimensão do desafio, olhemos com  cuidado a última coluna da tabela. Ela compara o crescimento do PIB com o da  população empregada, medida pela PME. Sei que são universos diferentes e que a  PO abrange apenas as regiões metropolitanas, mas o indicador dá uma ideia do que  ocorre no mundo real. E o que aconteceu é simples de entender: a produtividade  não teve nenhum desempenho exuberante. Nos próximos anos, a não ser que a  eficiência da economia dê um salto, se combinarmos a expansão do produto por  homem ocupado no ciclo do crescimento do PIB de 2003/2011 (menos de 2%), com a  taxa de crescimento da PEA – e da PO – rumo à qual estamos migrando (em torno de  1%), o problema não é que será difícil crescer a pelo menos 5%, como com grande  dose de voluntarismo se postula em alguns círculos, mas sim que o Brasil terá  problemas até para crescer 4%!

Carlos Díaz Alejandro publicou em meados dos anos 80 um artigo muito  comentado na época, chamado “Good-bye financial repression, hello financial  crash”. Parodiando Alejandro podemos dizer hoje “Adeus, economia da escassez de  demanda; bom dia, economia da escassez de mão de obra”. O keynesianismo do “pau  na máquina” e da demanda “na veia” terá que ceder espaço ao mundo muito mais  sofisticado do aumento da produtividade. Para o Brasil, será o fim da vida fácil  e a hora de mostrar o seu valor.

Fabio Giambiagi, economista, co-organizador do livro “Economia  Brasileira Contemporânea: 1945/2010” (Editora Campus), escreve mensalmente às  quartas-feiras. E-mail: fgiambia@terra.com.br.

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico. Leia mais em:

http://www.valor.com.br/opiniao/2711304/depois-da-euforia-ii-produtividade-fraca#ixzz1xsFBg8fD

Esse blog além de noticias sobre economia e mercado imobiliário, pretende coletar opiniões e idéias sobre como podemos melhorar situação da competitividade do Brasil em âmbito mundial, através da criação de um ambiente propício aos investimentos internacionais e em colaboração com outros países emergentes como China e India que em breve estarão ocupando posições economicas de destaque, diminuindo a burocracia, o custo Brasil, os impostos, aquelas situações que todos nos indignamos no dia a dia, mas nem por isso brigamos pra mudar de maneira articulada, organizada. Proponho que as pessoas que têm informações relevantes, as publiquem como comentários nesse espaço e também se manifestem com suas opiniões. Vamos tentar melhorar o lugar onde vivemos. Segue um artigo excepcional escrito no Valor Economico de hoje dia 29 de Dezembro de 2009 pela brilhante Vera Saavedra Durão.

O Brasil rumo ao Primeiro Mundo

      Vera Saavedra Durão
    29/12/2009
Colunista

Depois de enfrentar e domar a crise econômica em 2009 e estar pronto para retomar um ciclo de crescimento vigoroso em 2010, sustentado pelo investimento e pelo consumo doméstico, o Brasil tem se mostrado apto a alçar voos mais ambiciosos. O salto do país para o Primeiro Mundo não é uma miragem distante e pode ser atingido na próxima década, como projeta um estudo de cenários feito pelos economistas Cláudio Porto e Rodrigo Ventura, da consultoria Macroplan. Tudo vai depender do resultado das eleições presidenciais de 2010 e do comportamento da economia mundial no pós-crise.

Para o próximo ano, as apostas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro convergem para taxas entre 5% e 6,5% com o governo mantendo uma estratégia de combate à crise sujeita a adaptações, dependendo dos desdobramentos e duração da recessão mundial. Uma superação mais rápida da recessão, com recuperação dos principais mercados, regulação dos sistemas financeiros dos países desenvolvidos e retomada lenta da economia mundial liderado por um crescimento maior de emergentes como China, Índia e Brasil, impulsionados por seus mercados internos, pode levar o mundo a crescer até 2012 a taxas entre 1,5% a 2%, prevê a Macroplan.

Foto Destaque

Tal contexto será favorável a ajustes estruturais importantes já em curso na economia brasileira, como investimentos públicos de grande porte em infraestrutura e mobilidade urbana, forte incentivo ao investimento privado por meio de financiamentos e garantias de crédito, redução agressiva dos juros e contenção das despesas públicas de custeio e renovação da agenda ambiental.

O cenário mundial de dupla recessão, de 40% de probabilidade, desenha recuperação não sustentável dos principais mercados com surgimento de “novas bolhas” após uma primeira onda de estímulos monetários e financeiros. O agravamento dos problemas financeiros pode precipitar a economia global em novo declínio e provocar nova onda de falências, com retorno da recessão mundial e desaceleração dos emergentes, e o PIB mundial retomando taxas médias negativas de 0,5% anuais nos próximos dois anos. Nessa conjuntura, a economia brasileira tende a ampliar fortemente a presença do Estado, que se tornaria o principal motor de crescimento econômico do país.

A efetivação de um desses cenários econômicos no Brasil, tais quais são descritos pela Macroplan, vão sofrer influência dos resultados das eleições de novembro e das coalizões políticas delas resultantes, avisam Porto e Ventura. Além das candidaturas de Dilma Rousseff e José Serra, a entrada em cena de Marina Silva e Ciro Gomes indica que a economia brasileira evoluirá entre dois polos – de continuidade das reformas e/ou de ajustes eventuais – com possibilidade reduzida de o país aventurar-se numa trajetória nacional-populista semelhante à de outros países da América do Sul.

No longo prazo, porém, o estudo da Macroplan destaca que a trajetória do Brasil para o Primeiro Mundo vai depender sobretudo da disposição do Estado, da sociedade e do setor privado de enfrentar gargalos internos estruturais que se contrapõem às suas potencialidades (ver arte abaixo) e o impedem de mudar de patamar no contexto do poder global.

A continuidade de sucesso do Brasil no mundo vai depender da capacidade de seus governantes de eliminar tais entraves. Se as mudanças estruturais passarem a integrar uma agenda estratégica nacional, fruto de consenso entre os principais grupos políticos e econômicos e alvo de crescente exigência da sociedade, tornando-se um sólido valor social, está assegurado o “salto para o Primeiro Mundo”. Caso contrário, o Brasil, entre 2020 e 2030, continuará um país dual. O pior cenário, porém, de “baleia encalhada”, com baixa probabilidade de ocorrer, não é improvável. Nele, a falta das reformas estruturais aborta a trajetória de aceleração do crescimento. O país retoma taxas entre 1% e 3% anuais, com parque produtivo atrasado, baixo grau de inovação e inserção internacional competitiva restritiva por ausência de reformas no sistema educacional.

Que o mau presságio sirva de alerta para o futuro presidente da República! Feliz 2010 para todos!

Vera Saavedra Durão é repórter especial

E-mail vera.durao@valor.com.br

  1. jonasfederighi
    janeiro 7, 2009 às 9:03 pm

    Estou iniciando esse blog com o objetivo de disponibilizar minhas opiniões e informações que entendo importantes relativos ao mercado imobiliário e a economia brasileira.

    Entendo o momento como rico em oportunidades e dificuldades, que deverão ser ultrapassadas à medida com que tivermos sucesso em convencer a sociedade como um todo da importância de não admitirmos mais o discurso de futuro. Temos que resolver os problemas já, sejam eles por ordem de prioridade

    – Solução do problema político : não dá pra conviver com duzentos partidos
    – Solução da carga tributária : não temos como arcar com essa carga absurda de 35% do PIB
    – Solução da politica monetária : Taxa de juros hoje deveria ser de no máximo 7% a.a.
    – Solução da politica externa Brasileira : ou nos desvinculamos da América Latina e procuramos nossos interesses nos aliando aos Emergentes de peso, India, China, Africa do Sul e propondo uma politica de aliança com EUA ou o mundo continuará enxergando o Brasil como um país não sério.
    – EDUCAÇÃO : Por que não copiar o sistema coreano ?
    – SEGURANÇA : O Brasil tem o maior potencial turistico mundial. Não vamos trazer ninguém com essa insegurança por todo o Brasil

    Espero poder contribuir com minhas opiniões e agradeço colaborações

  2. Pollyana C. Camargo
    outubro 16, 2009 às 1:44 pm

    Olá. Sob as perspectivas de pesquisas acerca do Mercado Imobiliário Brasileiro (um panorama em si), você sabe me dizer se a literatura é bem incrementada? Há algum livro, tese, artigo acadêmico atual sobre isso que você conheça e possa me indicar?

  3. outubro 17, 2009 às 11:27 am

    Cara Pollyana
    Desculpe pela demora. Se buscar no search do meu blog o relatório publicado pela EMBRAESP sobre mrcado imobiliario, é o trabalho mais completo que me recordo no momento.
    Tem outros relatórios que acabei “pendurando” no blog que é uma excelente ferramenta pra guardar as noticias importantes que vc quer tê-las no momento adequado. O blog é ótimo pra rastrear essas noticias. Como iniciei em Janeiro desse ano, se percorrê-lo acho que encontrará 80% das noticias relevantes do ano.
    abs

  4. outubro 17, 2009 às 12:11 pm

    Polyana
    Sei que o Renato Mauro filho tem alguns trabalhos, ele tá no MBA da Poli de Real Estate, também pode procurar lá no site da USP os trabalhos do João da Rocha Lima, entre outros. Livro mesmo acho que saiu um do Takaoka se não me engano, esse ano mesmo. Não tem muitos mas sei que também tem um livro sobre a história da evolução de São Paulo bem interessante.
    Acho que é melhor procurar literatura lá fora principalmente nos EUA.
    abs

  5. Eliane Mendes de Lima
    novembro 4, 2009 às 10:58 pm

    Prezado Jonas

    Voce trabalha com vendas de propriedades para o exterior, ou poderia me indicar alguém de confiança que o faça?

    Represento o proprietário de uma casa recém construída na cidade de Curitiba, que tem interesse em vender para estrangeiros. Os contatos serão diretamente com o proprietário.

    Agradeço e aguardo seu retorno.

  6. novembro 5, 2009 às 10:20 am

    Em Curitiba poderia procurar o Eduardo da Noblesse Brasil Brokers por favor ?
    eduardo@noblesse.com.br
    Grato

  7. Cristina
    janeiro 23, 2010 às 5:40 pm

    Olá, boa noite!
    Como já ouvi falar muito da FREMA gostaria de saber qual é o seu endereço daqui de são josé dos campos- sp, para que eu e meu esposo possamos fazer uma visita para vocês…
    No aguardo da resposta

    Cristina Ivo

  8. fevereiro 2, 2010 às 4:10 pm

    Cristina
    Desculpe pela demora
    Estamos na Av. Anchieta, 523.
    Obrigado por perguntar.
    abs
    Jonas

  9. agosto 11, 2010 às 5:31 pm

    Jenima
    Estive viajando, vamos retomar o assunto.
    Poderia me encaminhar um email com scaner da documentação ?
    abs
    Jonas

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: