Início > Uncategorized > Acima do bem e do mal

Acima do bem e do mal

Ler no navegador | Preferências de Recebimento
Facebook icon Curtir Twitter icon Tweet Forward icon Encaminhar
m5mbanner.084114.jpg
Acima do bem e do mal

:. Acima do bem e do mal

:. E Marx, leram?

:. Mudança de paradigma

:. Questão de foco

:. Sobre consumo e real estate

:. Sobre asset allocation

:. Deus e o diabo na Terra do Sol

:. Uma das minhas favoritas de consumo soltou resultado > Exclusivo para o PRO

:. Uma incorporadora pronta para a virada e consequente explosão em Bolsa? > Exclusivo para o PRO

:. Renner + Marisa, será? Exclusivo para o PRO

:. Exposição antes da novela —> especial impactos da eleição

(texto escrito excepcionalmente por Felipe Miranda)

00:16- Acima do bem e do mal

Como bem definiu Nietzsche, a razão é uma grande emoção, é o desejo de controle. Uma pena este governo não ter lido o filósofo.

Sob uma pretensa racionalidade e argumentação de terrorismo eleitoral, busca-se o controle das opiniões sobre economia & finanças. Num governo ensimesmado, críticas técnicas e argumentos decorrentes de questões estritamente factuais sobre Economia viram “tentativa de influenciar o voto.”

Os críticos argumentam que uma política econômica cujo placar é de Inflação 7 (6,5% para ser preciso) x Crescimento 1 (0,9% para ser preciso) é ruim. Em vez de encontrarem como resposta uma antítese convincente para refutar a tese, recebem de volta a acusação de terrorismo eleitoral.

A associação entre incompetência e falta de autocrítica não é nova. Justin Kruger e David Dunning, da Cornell University, no artigo Unskilled and Unaware of It: How Difficulties in Recognizing One’s Own Incompetence Lead to Inflated Self-Assessments, atestaram a relação genotípica entre competência e autocrítica. Virou um clássico.

O FMI está errado. O Santander, a Empiricus, a Fitch e os gestores são todos loucos.

Errados e sem direito, inclusive, de errar, pois não podem sequer exibir suas opiniões. Ponto final.

A pergunta ainda sem resposta: como combateremos o cenário de estagflação sem críticas e debate?

A série sobre O Fim do Brasil firma seu compromisso em contribuir, construtivamente, para esse diálogo. Proponho um debate estritamente econômico, não político. Volto com novidades em breve. Podem me cobrar.

01:23- E Marx, leram?

Eu entendo perfeitamente que não tenham lido Nietzsche. A referência filosófica atual é a Marilena Chauí, aquela que disse publicamente e sob aplausos ao fundo do ex-presidente Lula, que “odeeeeia” (assim mesmo, caprichando no “e”) a classe média. E eu, que fundei uma consultoria para dar boas recomendações de investimento à classe média, sou o terrorista. Saquei. Bom, vamos em frente.

O problema maior é que sequer leram Marx, que deveria ser-lhes uma referência. Ao acusar os analistas de mercado de tentar influenciar voto, associam o capital a determinada ideologia. Isso fere uma das proposições marxistas mais convencionais de que o dinheiro busca, apenas, tornar-se mais dinheiro. É a clássica formulação D-M-D’, ou seja, de que o dinheiro (D) vira mercadoria (M) para voltar a ser mais dinheiro (D’).

Dinheiro não tem carimbo, capital não tem ideologia. Ao vender ações de estatais (e outras, em âmbito geral) a partir do ganho de espaço da situação nas pesquisas eleitorais, o investidor apenas demonstra uma crença de que, sob a atual administração, os lucros por ação serão menores. E se isso acontece em nível agregado, com todas as empresas, é porque a própria Economia iria mal.

Reforça-se: a discussão é econômica. Investimento não admite o clima de “nós contra eles”. É ele (dinheiro) com ele mesmo (mais dinheiro).

01:47- Mudança de paradigma

Nunca gostei de rótulos e categorizações. Nós, eles, direita, esquerda, value, growth, agressivo, moderado. Deveríamos estar todos no mesmo barco.

Falando da minha área, especificamente, todos procuram as melhores oportunidades de investimento, sem torcer para que o outro encontre futuro menos profícuo. Seu único adversário é o custo de oportunidade do capital.

Uma tristeza ainda insistirem em certas clivagens, algumas delas muito curiosas.

Em evento recente na CUT, o ex-presidente Lula fez gol contra, desta vez enfrentando a turma do "nós" e abraçando o pessoal do "eles". Mostrou-se amigão do presidente do Santander, um homem honrado. E, de forma muito educada, pediu a cabeça da bancária, que, na opinião do ex-presidente, não saberia p*&#!% nenhuma de Brasil. O problema não seria do Santander, mas da analista apenas.

Não podemos acusar o ex-presidente de incoerência. Em evento na Bahia no dia 27 de junho, Mr. da Silva, sob o contexto das reações da Bolsa, constatou que não é o mercado que elege presidente. Há aqui algo implícito: o reconhecimento de que o mercado, no geral, não gosta da atual administração. Ou seja, Lula sabe que a Bolsa cai com Dilma bem nas pesquisas – e vice-versa. Ele disse o mesmo do Santander!

Então, repito assertiva anterior: se ambos falaram a mesma coisa, das duas, uma: i) ou o Santander não fez propaganda eleitoral; ou ii) Lula fez propaganda eleitoral, contra Dilma.

02:33- Questão de foco

Em meio ao “nós contra eles” e ao cerceamento do debate, querem esvaziar a discussão em torno do que realmente importa. Eu nunca quis nem pretendi discutir política. Jamais faremos isso. Estamos aqui para falar de economia & finanças. O foco é total e irrestrito nisso.

Acordamos e dormimos pensando em mercados e alocação de ativos, nas formas apropriadas de investimento para fazer nossos clientes ganharem dinheiro. É só isso que eu gostaria de continuar fazendo.

Não sou cientista político. Sou economista e mestre em Finanças. Na Empiricus, sou responsável pela cobertura das ações de consumo e real estate. Escrevo as séries O Fim do Brasil e a Carteira Empiricus. A primeira talvez você já conheça. A segunda representa hoje possivelmente nosso relatório mais completo, com uma sugestão detalhada de alocação de ativos. Quanto você deve ter de ações, renda fixa, imóveis e câmbio. E o que comprar em cada um dos mercados. Esclarecimento óbvio: não faço o relatório sozinho – toda a equipe participa dessa montagem, com a opinião dos especialistas em cada área.

Tudo o que você precisa para dormir tranquilo em relação às finanças. Nós estaremos sem dormir para prover-lhe o descanso dos justos. Fica aqui o convite para conhecer o produto.

Então, fica o convite estrito ao debate sobre consumo, real estate, economia e asset allocation.

03:12- Sobre consumo e real estate

Posto que, à esta altura, me parecem cristalinas minhas convicções sobre a economia brasileira, deixo algumas considerações sobre consumo e real estate. Começo pelas incorporadoras.

Estou bastante cético quanto à evolução de resultados e teria exposição reduzida ao setor. Prévias já vinham indicando isso e resultado de PDG anunciado na quinta à noite corrobora avaliação. Distratos voltaram a aumentar e velocidade de vendas tem sido baixa.

Média e média-alta renda têm sido bastante afetadas por desaceleração da economia e efeito calendário. Situação pode piorar com perspectiva de recrudescimento das condições de liquidez lá fora. Nomes associados a turnaround podem ser particularmente problemáticos no momento, de forma que reitero preferência pelos cases premium.

Baixa renda também tem se mostrado mais resiliente. MRV e Direcional tendem a ser os melhores resultados do trimestre.

Sobre consumo, o ceticismo deriva mais por conta de uma questão de valuation, com nomes, no geral, esticados, sobretudo quando ponderados pelo ambiente macro desafiador (baixo crescimento e inflação alta, com prognóstico de diminuição do emprego à frente). Resultados têm mostrado volatilidade, de modo que recomendo olhar nome a nome. Penalização recente envolvendo AmBev me parece excessiva.

03:57- Sobre asset allocation

Aqui vou ser bem breve. Comentários aprofundados e recomendações precisas estão na Carteira Empiricus. Deixo três considerações:

i) Finalmente parecem ter acordado para o sobreapreçamento das bolsas internacionais, sobretudo as americanas. Acho que há um ajuste maior por vir. Estimularam a tomada de risco em excesso para sair da crise de 2008 – a conta virá, sempre vem.

ii)Dólar abaixo de R$ 2,26 é a chance de você comprar moeda premium com desconto. Valor fundamental, naquilo que os economistas batizaram de Fundamental Equilibrium Exchange Rate, está por volta dos R$ 2,50. Quando juro começar a subir lá fora, ninguém vai querer estar em real, que é moeda exótica, com beta muito alto – paga muito bem quando mercado vai bem, e paga muito mal quando mercado vai mal, ou seja, o momento em que você mais precisa de dinheiro, ela paga mal.

iii) Queda do juro longo no Brasil acende sinal amarelo. Com a deterioração adicional das contas públicas confirmada a partir do déficit primário em junho, pior do que a pior estimativa, papo de sustentabilidade fiscal vai pegar forte ainda.

04:20- Deus e o diabo na Terra do Sol

Encerro com um breve questionamento sobre a economia brasileira, porque, me desculpem, eu não resisto. Qual a intenção da atual política monetária?

O arcabouço clássico de gestão monetária é a famosa Regra de Taylor, em que o Banco Central pondera preferências entre crescimento econômico e inflação para decidir sua taxa básica de juro. Se a economia está muito aquecida, sobe o juro para combater a inflação. E vice-versa.

Nosso problema é que a economia não está aquecida e a inflação é alta. Então, fica difícil a missão do Banco Central, que simplesmente não sabe o que fazer. Acabou de descartar queda da taxa Selic na ata de sua última reunião.

No dia subsequente, liberou compulsório, ou seja, adotou política monetária expansionista, como forma de estimular o crédito e, por conseguinte, a economia.

Simultaneamente, vem atuando de maneira sistemática no câmbio para conter a inflação. Adianta-se: o argumento de que o BC atua para reduzir a volatilidade, sob um pseudo fear of floating (medo da flutuação) não cola aqui, pois a vol do câmbio está nas mínimas.

Ao tentar combater inflação e estimular o crescimento de forma concomitante, o Banco Central acende uma vela para Deus e outro para o diabo. Não vai funcionar.

CapturadeTela2014-08-04as11.29.52.113009.jpg
bannerpro.png
Uma das minhas favoritas de consumo soltou resultado > Exclusivo para o PRO
m5m-desfocada01_8.jpg
Uma incorporadora pronta para a virada e consequente explosão em Bolsa? > Exclusivo para o PRO
m5m-desfocada02_9.jpg
Renner + Marisa, será? Exclusivo para o PRO
m5m-desfocada02_9.jpg
Exposição antes da novela —> especial impactos da eleição
m5m-desfocada03_10.jpg
assinatura-felipe.jpg
Quer ter acesso à versão completa?
Custa só R$ 9,90 por mês. Basta clicar abaixo:
bannerm5mpro.png
Política de Privacidade | Disclosure | FAQ
Esta mensagem foi enviada para jonasjr como parte da assinatura gratuita do conteúdo Empiricus. Se não deseja mais receber nenhuma de nossas newsletters, clique aqui.

Para escolher qual(is) de nossas newsletters deseja receber, clique aqui.

Empiricus Research
Rua Iguatemi, 354 cj 101
01451-010
Itaim Bibi – São Paulo/SP

o.gif

Categorias:Uncategorized
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: