Início > Uncategorized > RES: Nota de esclarecimento Empiricus – Fim do Mundo

RES: Nota de esclarecimento Empiricus – Fim do Mundo

Caro Filipe

Me solidarizo com Empiricus sobre divulgação de relatório óbvio de que Correlação = -1 da Economia x Governo.

No limite do raciocínio, todos os brasileiros que sabem ler e escrever tem que ser acionados pelo Governo por expressarem suas opiniões.

Jonas A. Federighi Jr.
Diretor de Novos Negócios
jonasjr
Cel 55 (11) 6350 0239 / 9106 7441
Tel 55 (11) 5586 5611

Rua Estados Unidos, 1765
01427- 002 | São Paulo | SP | Brasil

De: Empiricus – Mercado em 5 [mailto:mercadoem5@empiricus.com.br]
Enviada em: Monday, July 28, 2014 12:53 PM
Para: Jonas Almeida
Assunto: Nota de esclarecimento

Ler no navegador | Preferências de Recebimento
Facebook icon Curtir Twitter icon Tweet Forward icon Encaminhar
m5mbanner.084114.jpg
Nota de esclarecimento

:. Nota de esclarecimento

:. Opinião ou mera constatação histórica?

:. Aula de Google Adwords a quem não estudou Darwin

:. Versão for dummies

:. Aula de Economia a quem não teve

:. Vocação

:. Sobre meu realismo no mercado financeiro

:. É a Economia, estúpido

:. Leia as linhas, somente as linhas

:. Recomendação 1 – 4,1% de lucros em 11 dias (exclusivo para o PRO)

:. Recomendação 2 – 1,54% de lucros em um mês na renda fixa (exclusivo para o PRO)

:. Recomendação 3 – 0,9% de lucros no câmbio em menos de um mês (exclusivo para o PRO)

:. A Dilma ao vivo (exclusivo para o PRO)

(texto escrito excepcionalmente por Felipe Miranda)

00:10- Nota de esclarecimento

Soubemos na sexta-feira que a coligação da presidenta Dilma Rousseff entrou com representação no TSE contra a coligação de Aécio Neves, a Empiricus e o Google, por nossas campanhas na internet. O argumento seria de que, supostamente, faríamos propaganda eleitoral indevida.

Antes do argumento em si em prol da desqualificação de propaganda eleitoral pela Empiricus, cumpre esclarecimento ético e moral. Ao entrar com representação contra Aécio Neves, Empiricus e Google, suponho que a coligação da presidenta entenda que há alguma relação entre as partes.

Posto isso, convido a coligação – e mais quem quiser – a mostrar/provar a existência de relacionamento, em qualquer instância, entre a Empiricus e Aécio Neves.

00:56- Opinião ou mera constatação histórica?

Deixe-me agora explicar um pouco mais sobre as tais campanhas da Empiricus no Google e em outros veículos na internet. Permita-me começar do começo – avançaremos rapidamente.

Relato abaixo a correlação entre a divulgação de pesquisas eleitorais e a reação dos ativos financeiros brasileiros.

No dia 06 de junho, pesquisa do Datafolha mostrou que a presidenta Dilma continuava em queda em relação às pesquisas anteriores. De fevereiro ao início de junho, a queda foi de 10 p.p.. Aumentou o número de eleitores indecisos de 8% para 13%. Numa simulação de segundo turno contra o candidato Aécio Neves, a diferença diminuía 3 p.p. em relação à pesquisa anterior. Ibovespa subiu 3,05%.

No dia 02 de julho, pesquisa do Datafolha divulgou estabilização das intenções de voto em Dilma no segundo turno e um ganho de espaço tanto do candidato Aécio Neves quanto de Eduardo Campos. Ibovespa subiu 1,60%.

No dia 17 de julho, pesquisa do Datafolha mostrou segundo turno com empate técnico entre Dilma (44%) e Aécio (40%). Numa simulação entre a presidenta e Eduardo Campos, o resultado também teve delta diminuído para 45% a 38%. Avaliação positiva do Governo caiu 3 p.p.. Ibovespa subiu 2,47%.

No dia 22 de julho, pesquisa do Ibope mostrou um possível segundo turno entre Dilma e Aécio com 41% para a presidenta e 33% para a oposição, diminuindo o ganho de espaço de Aécio divulgado na pesquisa do Datafolha do dia 17 de julho. Ibovespa caiu 0,97%.

Acrescento manchetes dos mais reputados jornais do país para referendar o argumento. Não sou eu, nem o Santander quem está falando:

Da Folha, em 6 de junho:

CapturadeTela2014-07-28as12.08.41.120859.jpg
Do Estadão, em 18 de julho:
CapturadeTela2014-07-28as12.09.20.120929.jpg
Do Globo, em 27 de março:
CapturadeTela2014-07-28as12.09.48.120954.jpg
Não há requisito algum de treinamento em estatística para constatar o óbvio: pesquisas favoráveis a Dilma Rousseff implicam, ceteris paribus, depreciação dos ativos financeiros brasileiros. Reitero: isso não é opinião, é fato.
Os mercados reagem de forma diferente a maiores possibilidades em favor de Aécio e de Dilma. Evidentemente, não há nenhum prognóstico de que haja uma ruptura dessa correlação. Se foi assim no passado e está sendo assim no presente, assume-se que a mesma dinâmica continuará à frente, posto que não há fatos novos representando uma quebra estrutural no processo.
Peço a gentileza de que guardem esse ponto. Voltarei a ele.

01:43- Aula de Google Adwords a quem não estudou Darwin

Apresento abaixo as campanhas publicitárias no Google que geraram descontentamento na coligação de Dilma Rousseff.

CapturadeTela2014-07-28as12.10.27.121042.jpg
CapturadeTela2014-07-28as12.10.31.121050.jpg
Como se faz normalmente campanhas no Google? Nós acreditamos apenas no teste e na observação. É assim que se faz ciência.

A princípio, você não sabe qual campanha publicitária será rentável ou não. Então, lançam-se vários anúncios simultâneos no ambiente do Google. Eles passam a concorrer entre si e, num processo semelhante à seleção natural, uns performam melhor do que outros. O próprio Google, através de seus algoritmos, identifica os mais adaptados e, por relevância, passa a imprimir com maior frequência os mais aptos.

A Empiricus, por sua vez, respeitados os princípios da ética, retira do ar os anúncios anteriores que vinham performando mal, deixando apenas os melhores – ninguém vai fazer campanha publicitária para perder dinheiro.

Apresento abaixo todos os demais anúncios relativos a Dilma Rousseff, Aécio Neves e Eduardo Campos. Colocamos todos eles no Google originalmente. O processo de seleção natural darwinista mostrou-nos que os dois mais aptos eram justamente os supracitados.

CapturadeTela2014-07-28as12.11.27.121150.jpg
CapturadeTela2014-07-28as12.12.04.121228.jpg
CapturadeTela2014-07-28as12.12.35.121241.jpg
02:00- Versão for dummies

Aos pouco familiarizados, explico em detalhes a natureza de campanhas publicitárias no Google. Funciona assim: a empresa anunciante (no caso, Empiricus) monta seus anúncios a serem veiculados nos mecanismos de busca do Google (search) e também nos variados sites (display) – aqui, vou me concentrar no display, que parece o foco da discussão.

O Google, através de seus algorismos capazes de identificar relação entre os temas dos sites e dos anúncios, passa a imprimir as diversas campanhas nos tais sites. Note que, no momento da visualização apenas, não há ainda qualquer pagamento da empresa anunciante ao Google e/ou aos sites. Dá-se o primeiro desembolso apenas quando há clicks nos anúncios. Somente ocorrendo o click, a Empiricus paga o Google, que repassa um percentual aos respectivos sites.

Obviamente, o Google e os sites com links patrocinados querem faturar. Portanto, é de seu interesse maximizar o número de clicks.
Dessa forma, os algoritmos do Google premiam os anúncios mais clicados, que passam a ser impressos com maior frequência. Então, o sucesso de um anúncio específico (medido pelos clicks) entra num processo de retroalimentação (mais clicks, mais impressões, mais clicks…). É assim que sempre acontece. É assim que aconteceu conosco.

Fica claro, portanto, que as campanhas publicitárias no Google têm única e exclusivamente interesse financeiro e econômico, sem qualquer veiculação política – e refletem preferências da demanda.

02:31- Aula de Economia a quem não teve

Há três princípios a serem perseguidos na Economia, a saber:
(i) Eficiência, entendida sob a ótica paretiana, ou seja, de que as alocações ótimas são aquelas em que você não pode melhorar a situação de alguém sem piorar a de outrem;

(ii) Equidade horizontal, com referência ao tratamento igualitário aos iguais; e

(iii) Equidade vertical, com referência ao tratamento não igualitário aos desiguais.

Agora retomo o ponto original. Ora, se é um fato – e não uma opinião – que os mercados reagem de forma diferente a Aécio (e Campos) ou Dilma, então não se pode, ao falar dos mercados, dar tratamento igualitário a Aécio e Dilma. Questão de equidade vertical. De novo, não se trata de propaganda eleitoral, mas de um princípio essencial estudado na Economia, do qual um economista/financista não pode fugir ao fazer sua análise.

É o que nós fazemos, por vocação. É o mesmo que o Santander fez. A diferença é de que nós não pediremos desculpas por falar a verdade e aconselhar, sem qualquer parcialidade, apoiados apenas em fatos, nossos clientes e leitores.

Lembro de episódio recente. Em evento na Bahia no dia 27 de junho, o ex-presidente Lula alertou, sob o contexto das reações da Bolsa, que o mercado não elege presidente. Essa seria uma função do povo. O que há implícito no racional? O próprio Lula reconhece que o mercado não gosta de Dilma – portanto, a Bolsa cai e o dólar sobe com maior probabilidade de reeleição. O ex-presidente, usando outras palavras, disse o mesmo que o Santander.

Posto que os dois disseram a mesma coisa, então, das duas, uma: i) o Santander não fez propaganda eleitoral, contrariando as acusações do governo; ou ii) Lula fez campanha eleitoral, contra seu próprio partido.

02:56- Vocação

Nossa razão de existir sustenta-se na associação de cenários e probabilidades a seus respectivos impactos sobre os ativos financeiros. Ao tentar censurar isso sob a pretensa alegação de propaganda eleitoral gratuita, a coligação de Dilma tenta restringir não somente a Empiricus, mas o próprio fomento de consultorias independentes.
Se não podemos falar das eleições durante o período eleitoral, justamente quando seu impacto nos mercados é relevante, quando o faremos? Quando não tiver a menor importância?

03:17- Sobre meu realismo no mercado financeiro

A representação contra Empiricus, Aécio e Google (não necessariamente nessa mesma ordem) acusa minha tese de título “O Fim do Brasil?” de terrorismo no mercado financeiro. Caso você ainda não tenha assistido ao vídeo, recomendo fortemente que o faça. Ele já foi visto por uma infinidade de pessoas e tem se espalhado numa velocidade assustadora.

No Brasil é assim: com ajuda do japonês, a gente sofre para ganhar da Croácia. Empata com México e passa um calorzinho no primeiro tempo contra Camarões. Empata com a potência Chile e sofre para passar da Colômbia. Vamos jogar contra a Alemanha e estão todos otimistas.

Em toda a Copa, fizemos apenas um bom primeiro tempo nas oitavas de final e foi o suficiente para resgatar a mística da amarelinha.

Política econômica não se faz com mística, meia marrom da sorte do Arnaldo César Coelho ou otimismo. Faz-se com realismo e respeito a séculos de conhecimento acumulado. Inventar uma nova matriz econômica parece mais com terrorismo do que o apontamento de ferimentos à ortodoxia e ao clássico tripé macroeconômico.

Foi este otimismo que nos fez tomar de 7×1 da Alemanha. É a mesma incapacidade de enxergar a realidade que nos faz tomar 7% (6,5% para ser preciso) da inflação x 1% de crescimento (0,9% para ser preciso).

A tese sobre o Fim do Brasil não é pessimista. Ela é realista, feita por um apaixonado pelo seu país, que não pode furtar-se à sua vocação de dar as melhores recomendações de investimento a seus clientes. Trata-se de uma abordagem construtiva, que mostra como preparar-se para a crise que, no meu entendimento, está se formando. Se, na opinião da coligação de Dilma, não há crise nesses placares 7×1, eu respeito. O padrão Empiricus é outro.

03:55- É a Economia, estúpido

Ao tentar dar contornos políticos a uma tese econômica, a coligação da situação tenta limitar o debate em torno da economia. Por uma razão simples: não querem debater a economia. Tentam tornar a coisa superficial e esconder o que realmente importa.

Se o debate fosse de um nível minimamente profundo, eu não precisaria explicar que a suposição sobre O Fim do Brasil é metafórica, meramente ilustrativa. Pessoas, coisas, empresas e animais podem acabar. Países, não. Meu argumento é de que nasceu um novo País com a estabilização da economia em 1994, cuja idade adulta é atingida em 1999 com a adoção do tripé macroeconômico. Quando, em reação à crise de 2008, abandonamos o tripé e migramos para a chamada nova matriz econômica, simplesmente matamos o que havia sido construído.

Para não restar dúvidas, deixo aqui, totalmente gratuito, o primeiro relatório da série O Fim do Brasil, escrito há algumas semanas. O parágrafo inicial é explícito ao relacionar a tese a uma metáfora.

04:17- Leia as linhas, somente as linhas

Para atestar que a abordagem é construtiva e não destrutiva como os superficiais tentam argumentar, mostro na parte PRO algumas das recomendações feitas até agora pela série O Fim do Brasil – evidencio como os assinantes já puderam ganhar dinheiro e como poderão aumentar ainda mais seu patrimônio, em qualquer cenário.

Ninguém vai nos calar. Estamos mais fortes.

Encerro a argumentação com uma homenagem ao monstro sagrado João Ubaldo Ribeiro. Por que os bons vão embora antes?

“Há muita gente, gente demais, que lê nas entrelinhas, um perfeito exercício de imbecilidade, defesa neurótica contra a realidade ou, em inúmeros casos, o achar-se tão sabido que se acaba sendo besta. Não existe essa coisa de entrelinhas. Pelo menos nos livros honestos, como este, não há nada nas entrelinhas, tudo deve ser procurado nas linhas, aqui não são oferecidas entrelinhas, à merda o entrelinhador, pode largar este livro e ir gastar seu tempo ruminando o bolo alimentar de sempre. Melhor do que ler textos diretos querendo ser esperto e vendo nele coisas indiretas.”

bannerpro.png
Recomendação 1 – 4,1% de lucros em 11 dias (exclusivo para o PRO)
m5m-desfocada01_8.jpg
Recomendação 2 – 1,54% de lucros em um mês na renda fixa (exclusivo para o PRO)
m5m-desfocada02_9.jpg
Recomendação 3 – 0,9% de lucros no câmbio em menos de um mês (exclusivo para o PRO)
m5m-desfocada02_9.jpg
A Dilma ao vivo (exclusivo para o PRO)
m5m-desfocada03_10.jpg
assinatura-beto.jpg
Quer ter acesso à versão completa?
Custa só R$ 9,90 por mês. Basta clicar abaixo:
Clique aqui
Política de Privacidade | Disclosure | FAQ
Esta mensagem foi enviada para jonasjr como parte da assinatura gratuita do conteúdo Empiricus. Se não deseja mais receber nenhuma de nossas newsletters, clique aqui.

Para escolher qual(is) de nossas newsletters deseja receber, clique aqui.

Empiricus Research
Rua Iguatemi, 354 cj 101
01451-010
Itaim Bibi – São Paulo/SP

o.gif

Categorias:Uncategorized
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: