Início > Uncategorized > Caixa desacelera crédito imobiliário e abre espaço para a concorrência

Caixa desacelera crédito imobiliário e abre espaço para a concorrência

Caixa desacelera crédito imobiliário e abre espaço para a concorrência

Ritmo mais lento de expansão reflete, principalmente, a limitação do banco em manter avanço de concessões sem novos aportes do governo federal em 2014; Bradesco e Itaú pretendem manter a expansão de suas carteiras acima de 30% no segmento

04 de abril de 2014 | 2h 09

Aline Bronzati – O Estado de S.Paulo

A Caixa Econômica Federal, conhecida como o banco da habitação, vai desacelerar a oferta de crédito imobiliário este ano, o que abrirá espaço para os grandes bancos ampliarem a presença no segmento.

Essa tirada de pé do acelerador ocorre, conforme apurou o Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, desde o ano passado e reflete não só uma preocupação com a qualidade dos ativos, mas, principalmente, a limitação do banco em manter um ritmo elevado de concessões sem novos aportes do governo federal em 2014.

Há uma orientação clara, conforme o presidente do banco, Jorge Hereda, para a instituição não contar com capitalizações neste ano. "Isso limita nossa capacidade de crescimento em função do nosso capital", disse Hereda, em entrevista na semana passada, ao Broadcast.

A expectativa da Caixa para concessões neste ano é de crescimento de 14,2%, bem mais tímido que o avanço de 26,4% alcançado no ano passado, quando as contratações ficaram perto de R$ 35 bilhões. Em termos de volume, a cifra projetada também é menor. São esperados cerca de R$ 20 bilhões, em comparação a mais de R$ 28 bilhões em 2013. Caso alcance este desempenho, a expansão do saldo da carteira, que no ano passado foi de mais de 31%, para R$ 270,4 bilhões, deve ter forte desaceleração, crescendo entre 12% e 15%.

A maior seletividade da Caixa nesse segmento custou à construtora MRV um volume superior de distratos no último trimestre de 2013. Foram mais de 300 contratos desfeitos no período, segundo a empresa. Os distratos ocorreram, de acordo com Rubens Menin Teixeira de Souza, diretor presidente da MRV, por uma mudança de política de crédito por parte dos bancos, especialmente da Caixa. "O banco apertou um pouco mais o crédito e isso desencaixou alguns clientes nossos, aumentando os distratos", explicou o executivo, em recente conversa com analistas.

Estatística. De acordo com Teotônio Costa Rezende, diretor executivo de habitação do banco, a desaceleração da oferta de crédito imobiliário tem razão estatística e não representa um "freio" na liberação de recursos. À medida que se tem uma base maior, diz ele, torna-se mais difícil sustentar um crescimento em um patamar mais elevado. A Caixa responde hoje por cerca de 70% do crédito imobiliário ofertado no País.

Segundo Rezende, o banco fecha diariamente mais de cinco mil contratos de crédito imobiliário equivalentes a um montante de R$ 5 milhões por dia. "Não estamos fazendo nenhum corte eventual. Sempre fomos muito seletivos. Nosso compromisso em ser mais seletivos na análise do crédito não é de momento, é de longo prazo", garante.

Enquanto o avanço da Caixa no crédito imobiliário se desacelera, rivais privados e também o Banco do Brasil esperam manter o ritmo de crescimento no segmento. O Bradesco projeta avanço acima de 30% da sua carteira ao ano. Ao final de dezembro, os empréstimos da instituição alcançaram R$ 13,6 bilhões, alta de 35,2% em um ano.

"Nos próximos dez anos, há muito potencial de crescimento. A participação do crédito imobiliário no PIB é baixa em relação a outros países", avalia José Ramos Rocha Neto, diretor do departamento de empréstimos e financiamentos do Bradesco.

As perspectivas são positivas, de acordo com Hamilton Rodrigues da Silva, gerente geral de crédito imobiliário do BB, tanto na pessoa física como na jurídica. E por isso, o segmento foi incluído na estratégia da instituição, conforme ele, há cerca de quatro anos. Nesse período, o banco investiu em produtos e processos e estruturou uma carteira que superou os R$ 18 bilhões ao final de 2013. Depois de crescê-la em 78% ante 2012, o banco espera repetir o feito neste ano.

Foco. No caso do Santander, a carteira imobiliária, que somou R$ 15,7 bilhões em 2013, alta de 32,9% ante 2012, segue como foco do banco no Brasil, segundo Gilberto Abreu, diretor executivo de Negócios Imobiliários da instituição. "Continua como parte da estratégia do Santander no Brasil crescer bastante em crédito imobiliário", destaca.

O Itaú Unibanco espera que em 2014 a sua carteira de crédito imobiliário continue avançando acima de 30%, conforme o presidente executivo do banco, Roberto Setubal. Em recente conversa com a imprensa, ele admitiu que as margens no setor imobiliário caíram, mas que atualmente estão estáveis e que não devem descer mais. O banco totalizou R$ 24,209 bilhões em crédito imobiliário ao final de dezembro, saldo 34,1% maior que o visto em 2012.

Anúncios
Categorias:Uncategorized
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: