Início > Uncategorized > Especialistas veem concentração dos fundos imobiliários

Especialistas veem concentração dos fundos imobiliários

Especialistas veem concentração dos fundos imobiliários

País deve passar por um movimento de concentração nos próximos anos, com queda na quantidade de fundos e aumento do patrimônio líquido

Eduardo Tavares, da content_arena_pavini.jpg?1352477068

Prédios em Balneário Camboriú (SC)

Imóveis: atualmente, no Brasil, há em operação 104 fundos de investimento imobiliário, totalizando um patrimônio líquido de R$ 30 bilhões

São Paulo – A indústria de fundos imobiliários no Brasil deve passar por um movimento de concentração nos próximos anos, com queda na quantidade de fundos e aumento do patrimônio líquido, segundo o diretor da corretora XP Investimentos e coordenador da Câmara Consultiva do Mercado Imobiliário da BM&FBovespa, Rodrigo Machado.

Segundo o executivo, embora esse mercado viva a melhor fase de sua história em relação à indústria de economias maduras, como a americana, “ele ainda engatinha”. “Diria que os fundos imobiliários no Brasil estão na mesma fase que os americanos nos anos 1970”.

De acordo com ele, a consolidação será uma trajetória natural, com fundos maiores comprando ativos de fundos menores, ou até mesmo outros fundos. “Nos Estados Unidos, há menos fundos imobiliários do que no Brasil, mas a indústria americana é 30 a 40 vezes maior do que a brasileira”, explica.

Atualmente, no Brasil, há em operação 104 fundos de investimento imobiliário, totalizando um patrimônio líquido de R$ 30 bilhões. Só nos últimos 12 meses foram feitas 30 ofertas públicas iniciais de fundos, que captaram R$ 14 bilhões.

No ano passado, o valor de mercado total cresceu 88% e o número de investidores aumentou em 127%, chegando a 103 mil, sendo a maioria de pessoas físicas.

Atração de institucionais

Segundo Paulo Cirulli, gerente de produtos imobiliários da BM&FBovespa, os próximos passos do mercado de fundos imobiliários serão no sentido de atrair investidores institucionais.

De acordo com ele, o mercado debate atualmente a criação de derivativos das cotas de fundos, aumentando a sofisticação do mercado e, consequentemente, atraindo um público que ainda se mantém distante.

Para Cirulli, com a criação de instrumentos como ETFs (fundos de índices negociados em bolsa), contratos futuros e outros derivativos, uma das consequências será o aumento da liquidez no mercado secundário de fundos imobiliários.

A criação de ETFs de fundos imobiliários, de acordo com Cirulli, está em discussão e depende que, primeiro, seja estabelecida a regulamentação para a criação de ETFs de renda fixa em geral. Embora o tema já seja discutido entre o mercado, a Comissão de Valores Imobiliários (CVM) e a Receita Federal, ainda não há data para que o debate passe à prática

Anúncios
Categorias:Uncategorized
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: